UNIFESO obtém registro de software pioneiro no combate à dengue

O Centro Universitário Serra dos Órgãos (UNIFESO) obteve junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) o registro do software VigDengue, criado para auxiliar o poder público a traçar planos de combate e prevenção à dengue. O programa é pioneiro em mapear regiões afetadas pela doença e já é utilizado pelo município de Teresópolis, através de uma parceria com o Centro de Ciência e Tecnologia (CCT) do UNIFESO. Nenhum outro município do estado do Rio de Janeiro possui uma ferramenta deste tipo e vários já demonstraram interesse no VigDengue, que pode ser adaptado ainda para mapear a ocorrência das doenças causadas pelo Zika vírus.

O VigDengue possibilita agilidade e maior capacidade na organização de dados sobre áreas em que há notificações de pessoas diagnosticadas com dengue, e assim o poder público pode oferecer uma resposta mais eficaz ao atuar nestes locais para combater os focos do mosquito transmissor, o Aedes Egypt.

O programa foi idealizado por Leonardo de Oliveira Jasmim, ex-aluno do curso de Ciência da Computação,  que desenvolveu o projeto sob a coordenação do professor Bruno Carlos da Cunha Costa através do Programa de Iniciação Científica, Pesquisa e Extensão (PICPE) do UNIFESO. Leonardo é funcionário da Secretaria Municipal de Saúde e verificou a necessidade de um sistema para agilizar o trabalho administrativo dos profissionais que tinham dificuldades para gerar relatórios com o grande número de tabelas e planilhas separadas. Assim, os desenvolvedores criaram o sistema totalmente adaptado à rotina dos técnicos, resultando em um programa altamente confiável. “Eu vi que a profissional que lidava com as fichas tinha uma sobrecarga de trabalho muito grande, então tentando resolver esse problema dela propus o programa, que foi bem aceito, ajudou muito e acelerou o processo de trabalho dela, que agora pode se concentrar nas questões técnicas, contando com as análises que o programa permite”, explicou Leonardo.

O professor Bruno Carlos da Cunha Costa, professor das disciplinas Banco de Dados e Arquitetura de Software, destacou que além de cumprir a missão do UNIFESO de contribuir para a sociedade, este tipo de projeto fortalece o setor de pesquisas da Instituição, que vem crescendo ao longo dos anos. “Quando eu era estudante aqui tive um projeto muito semelhante ao do Leonardo, em que nós desenvolvemos um sistema para a Clínica de Insuficiência Cardíaca que até hoje está sendo utilizado lá. Antes de mim foram desenvolvidos outros projetos que são utilizados na instituição e esse é o terceiro projeto com que tenho contato direto. No curso de Ciência da Computação os alunos orientados pelos professores conseguem desenvolver sempre algo muito útil para a sociedade e para a Instituição”, destacou Bruno.

O professor José Roberto Castro Andrade, coordenador do Laboratório de Projetos e Prototipagem (LPP), enfatizou que o trabalho multidisciplinar de pesquisa no UNIFESO vai se fortalecendo com resultados bem sucedidos tanto na área da Computação como nas de Saúde e Engenharia. “Essa parte de registro, além de motivar o aluno desenvolvedor e o professor pesquisador, valoriza o trabalho e o seu projeto. É um projeto útil que foi desenvolvido dentro de padrões bem definidos. Esse foi o pontapé inicial e no final de 2015 entramos com outro pedido para um programa que faz cadastro de espécies botânicas. A ideia é continuar não só com registro de softwares como também de patentes. O Núcleo de Inovação e Tecnologia (NIT) estruturou tudo isso e tocou a parte de registro. Aprendemos muito nessa integração, e temos ótimos perspectivas para o futuro”, disse o professor.